Catarina Vargues Conceição – Psicóloga Clínica


Deixe um comentário

Assertividade

A assertividade é um alimento indispensável à manutenção da saúde psicológica.

A assertividade é importante nas relações que estabelecemos com os outros, sejam estas pessoais ou profissionais.

Mas afinal o que é a assertividade?

Por vezes, a assertividade é confundida com comportamentos e atitudes rígidas, que não a representam realmente.

A assertividade passa pela capacidade de nos posicionarmos, de acordo com o que pensamos, sentimos e precisamos num determinado momento, de forma clara e concreta.

A assertividade é útil quando fazemos um pedido, damos uma opinião ou estabelecemos um limite.

Quando agimos assertivamente, estamos a alimentar-nos também de auto-estima, autenticidade e auto-afirmação, podendo integrar ainda outros alimentos psicológicos como a negociação com os outros.

Por outro lado, quando agimos agressiva ou passivamente, acabamos por boicotar o respeito nas nossas relações ou mesmo o respeito por nós, deixando à “beira do prato” ora os direitos dos outros ora os próprios.

Estes comportamentos, por sua vez, contribuem para o desgaste das relações na forma de dificuldades de comunicação, palavras desajustadas ou caladas e ressentimentos contidos.

A assertividade é uma competência social que se aprende.

Saiba por isso que um Psicólogo Clínico o pode ajudar nesta aprendizagem.


Deixe um comentário

Limites

Os limites são alimentos indispensáveis à saúde psicológica.

Estabelecer limites na relação consigo próprio e com os outros é praticar o seu bem-estar e o bem-estar das suas relações, sejam elas familiares, conjugais, laborais ou de amizade.

Quando estes limites não são estabelecidos, não temos um referencial que nos ajude a pensar quem sou Eu, quem é o Outro.

Não sabemos quando ou como nos permitir um tempo a sós ou, por outro lado, quando procurar a proximidade e a partilha com os outros.

Estes limites, com os outros e de si para si, podem ser muito ténues, mas nem por isso menos importantes.

Quando não os estabelecemos, podemos tornar-nos demasiado passivos ou permissivos, ter dificuldade em dizer que não, em preservar e garantir o direito de sermos diferentes do Outro.

Se já deu por si a abdicar demasiadas vezes do seu tempo, espaço, voz ou preferências é possível que necessite de reforçar este alimento na sua vida.

Ou mesmo se sentir que não o tratam com o devido respeito ou não o levam a sério.

Nem sempre é fácil estabelecer limites, mas é possível.

Um Psicólogo Clínico pode orientá-lo e acompanhá-lo nesta aprendizagem, que o ajudará a sentir-se mais fiel a si mesmo e mais satisfeito nas suas relações.


1 comentário

Auto-afirmação

Se há alimentos fundamentais à saúde psicológica e complementares à auto-estima, um desses alimentos é a auto-afirmação.

A auto-afirmação dá sabor à auto-estima. A auto-estima dá cor à auto-afirmação.

Em certas situações pode ser difícil afirmarmo-nos. Nessas situações podemos sentir-nos irritados, frustrados, tristes ou zangados.

São os nossos sentimentos e estados emocionais a comunicar-nos que não respeitámos e afirmámos a nossa perspectiva e necessidades.

Quando não nos afirmamos, tendemos a praticar a não-aceitação de nós próprios.

Outras vezes impomos a nossa perspectiva, podendo desrespeitar as pessoas com quem nos relacionamos. 

Experimente hoje afirmar-se, praticando a aceitação activa de si enquanto diferente do outro e o respeito pelo outro enquanto diferente de si.

À forma de confeccionar a auto-afirmação através da expressão da sua perspectiva, emoções e necessidades, respeitando as do outro, dá-se o nome de assertividade.

Por vezes, pode tornar-se bastante difícil agir assertivamente.

Quando assim é, de forma continuada e com prejuízos para o próprio e para os seus relacionamentos, a Psicologia Clínica pode dar uma ajuda.